Motivação do ataque a creche em SC foi ‘repugnante e imoral’, diz MP; entenda denúncia contra o autor

O autor do assassinato de três crianças e duas funcionárias durante o ataque a uma creche em Saudades, no Oeste de Santa Catarina, foi denunciado pelo Ministério Público (MPSC) nesta sexta-feira (21) por cinco homicídios triplamente qualificados, além de 14 tentativas de homicídio. A motivação do massacre, segundo o promotor de justiça Douglas Dellazari, foi “repugnante e imoral”. As informações foram divulgadas em coletiva de imprensa, no final da tarde.

> Receba notícias de Santa Catarina por WhatsApp

> Quem é o autor do ataque que deixou cinco mortos em creche no Oeste de SC

Conforme a promotoria, o jovem denunciado tinha idolatria por assassinos em série, assassinatos em massa e crimes de extremo ódio, e buscava, com o ataque, o reconhecimento e a fama “no meio em que estava inserido” na internet, onde mantinha contato com pessoas que pactuam com suas ideias. 

Além disso, conforme o promotor, ficou claro durante as investigações a premeditação do crime, ao encontrar nos aparelhos que pertenciam ao acusado, “inúmeros e reiterados acessos e pesquisas pela internet por conteúdos de violência e mortes”.

– O planejamento iniciou há cerca de 10 meses, e a idealização era de um verdadeiro massacre. Ele pesquisou o retorno das aulas presenciais em SC e em específico em Saudades. Em 3 de maio, um dia antes ao ataque, pesquisou a creche municipal Aquarela. Foi um atentado antevisto e delineou o alvo mais fácil para ter êxito na sua ação – relata o promotor.

> Ataque a creche em Saudades foi inspirado em massacres no exterior, aponta investigação

A promotoria também confirmou que, através dos acessos na internet, foi possível identificar diversas tentativas do suspeito de adquirir armas de fogo, buscando diferentes fornecedores. Sem sucesso, o acusado passou a pesquisar sobre comercialização de arco e flecha, balestras e registros de outros massacres em escolas com armas brancas.

– A titulo de exemplo, em um fórum de internet ele havia comentando sobre o homicídio de uma vítima e dizia não entender o motivo da repercussão, dado que uma única pessoa teria morrido- acrescenta Dellazari.

Questionado sobre o pedido de exame de sanidade mental solicitada pela defesa do autor do ataque, a promotoria reiterou que foi negado em primeira instância pela Justiça e argumentou que os passos dados antes da chacina demonstrariam o oposto de insanidade.

A Justiça deve analisar a denúncia e, se aceitar como está, o jovem responderá pelos homicídios e tentativas de homicídios por motivo torpe, cruel recurso que impediu ou dificultou a defesa das vítimas.

– A dosimetria da pena cabe à Justiça, mas o Ministério Público vai fazer todo o possível para alcançar o máximo de pena possível – concluiu. 

Confira e coletiva na íntegra:

A dinâmica do crime

revelada pela Polícia Civil, em coletiva de imprensa no dia 14 de maio, a dinâmica do do crime teve mais detalhes divulgados pelo Ministério Público nesta sexta (21).

Segundo o promotor Douglas Dellazari, o denunciado saiu do trabalho por volta das 9h15min da manhã, quando faria seu intervalo, e foi para casa, onde fez um lanche, colocou duas facas altamente lesivas – uma de uso militar e outra de uso em vegetação densa – na mochila, pegou a bicicleta e se dirigiu até a cheche.

Armas usadas no crime foram compradas na internet e eram altamente lesivas

(Foto: )

No educandário, entrou sem dificuldades e se dirigiu ao saguão, onde conseguiu fazer um reconhecimento de área. Enquanto se preparava para iniciar o ataque, foi abordado por duas professoras, as primeiras a serem esfaqueadas. Uma morre no local. A outra aguarda socorro no local, gravemente ferida, e morre no hospital. 

> Sala de aula do ataque a creche em Saudades será transformada em parque

Em seguida, o suspeito se dirige para três salas de aula, na busca por vítimas mais vulneráveis. Ele tenta acessar as classes, com chutes e empurrões, enquanto funcionárias tentam o impedir, conta o promotor. O suspeito segue para outros anexos da escola, atrás de pessoas para ferir, até chegar a mais uma sala. 

– Ele bate com a faca nos vidros da janela, espalhando ainda mais pânico e (de onde estava) encherga mais uma profissional. Então retorna ao maternal três, onde encontra quatro crianças desassistidas, porque a profissional tinha saído para chamar socorro, uma já estava morta e a outra agonizando. Com múltiplos golpes, fere as crianças.

Populares acessam a escola e um deles, consegue resgatar duas, das quatro crianças do maternal três. Uma delas, morre no hospital. A outra sobrevive. O acusado então sai da creche e se depara com um grande número de pessoas, armadas com barras de ferro e finalmente é detido. 

Autor do ataque

O autor do ataque à creche tinha 18 anos e morava em Saudades com os pais e uma irmã. Segundo o delegado Jerônimo Marçal, responsável pelas investigações, ele era uma pessoa quieta e nos últimos meses se isolou da família. O jovem ficava a maior parte do tempo no quarto e não participava nem mesmo das refeições com os familiares.

Ele foi levado ao Presídio Regional de Chapecó após alta hospítalar. Ainda no hospital, foi interrogado e confessou que planejava o crime há meses. A prisão preventiva do jovem foi decretada um dia depois à chacina. Ele foi indiciado por cinco homicídios triplamente qualificados e uma tentativa de homicídio. A promotoria aumentou o número de tentativas de homicídio para 14 na denúncia.

Leia também

Desvio de dinheiro para obras desencadeia operação em cinco cidades do Sul de SC

Regiões de SC têm risco de temporal com granizo e raios no fim de semana, diz Defesa Civil

Trabalhadores da indústria e comércio são os que mais morreram de Covid-19 em SC

Irmã de Bolsonaro é internada com suspeita de Covid-19 em SP



Comprar armas e munições



Suporte via whatsapp!