Força Aérea do Irã ainda não tem probabilidade de adquirir novos caças em breve – Cavok Brasil

Seis meses se passaram desde que o embargo de armas das Nações Unidas expirou, mas ainda não há sinais de que o Irã irá, ou mesmo poderá, adquirir novos caças de combate para sua velha força aérea.

Em outubro passado, como parte do acordo nuclear de julho de 2015, o embargo de armas convencionais das Nações Unidas contra o Irã expirou. Como esperado, Teerã não entrou imediatamente em uma maratona de compras de novos sistemas de armas. Na verdade, o Irã não fez nenhuma compra notável de armas estrangeiras desde então.

A Força Aérea da República Islâmica do Irã (IRIAF) é composta de caças muito desatualizados, especialmente em comparação com seus rivais regionais da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes Unidos, que operam variantes altamente avançadas do F-15 (o F-15SA ‘Saudi Advanced’ ) e o F-16 (Bloco 60 “Desert Falcon”). A IRIAF ainda voa F-14A Tomcats, F-4 Phantom IIs e F-5 Tiger IIs, todos adquiridos quando era um aliado dos Estados Unidos antes de 1979 sob o regime do último xá. Desde então, o Irã passou de uma das frotas de caças mais avançadas do Grande Oriente Médio, exceto Israel, a uma das mais antigas da região.

A única aquisição notável de caças para a IRIAF pós-1979 foi no início dos anos 1990, quando caças da Força Aérea iraquiana construídos na França e na União Soviética voaram para o Irã para evitar a destruição durante a Operação Tempestade no Deserto. Teerã prontamente confiscou e integrou todas essas aeronaves para IRIAF. Durante o mesmo período, a IRIAF também adquiriu um pequeno número de MiG-29As da moribunda União Soviética. Em 1992 e 2001, o Irã tentou comprar interceptores de caça bimotores MiG-31 Foxhound da Rússia, mas a interferência dos Estados Unidos impediu com sucesso que tal negócio fosse adiante.

Portanto, nem é preciso dizer que a maior parte do estoque do IRIAF é muito antigo e precisa cada vez mais de jatos de combate mais novos. Então, por que Teerã não está aproveitando sua oportunidade atual para comprar algum?

Se o Irã comprasse caças em um futuro próximo, o amplo consenso entre os analistas é que provavelmente seriam da Rússia ou da China.

Um relatório detalhado do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos (IISS) de dezembro de 2017 explorando as opções pós-embargo do Irã razoavelmente antecipado que o IRIAF acabaria por adquirir pelo menos dois novos tipos de lutadores em algum momento desta década ou no início de 2030. Ele sugeriu que comprar um tipo da Rússia e outro da China seria prudente, uma vez que “daria uma proteção ao Irã, caso sua parceria com uma dessas potências azedasse”.

Os caças russos de superioridade aérea Su-30SM de dois lugares e multi-funções têm sido frequentemente sugeridos como uma opção de substituição para os F-14As do Irã, que estão em serviço há mais de 40 anos.

No entanto, analistas também sugeriram que o Irã provavelmente buscaria o monomotor leve JF-17 Thunder desenvolvido em conjunto pela China e pelo Paquistão, já que é, em média, cerca de US$ 10 milhões mais barato que um Su-30SM. Além disso, o Irã pode achar esse caça em particular mais fácil de manter, uma vez que usa uma variante do turbofan Klimov RD-33 semelhante aos que alimentam os MiG-29As iranianos.

Su-30SM.

A análise do IISS também apontou que o Irã pode não ser capaz de pagar um número suficiente de Su-30SMs ou Su-35s para substituir seus F-14s e F-4s. Conseqüentemente, Teerã poderia comprar um número limitado dessas aeronaves russas de 4,5 gerações e, então, compensar a diferença com caças chineses mais baratos. Ele cita o JF-17 como o caça mais acessível que Teerã poderia comprar de Pequim, mas sugere que uma opção mais capaz, embora mais cara, seria o J-10 Firebird. Também sugere que o JF-17 pode ser um substituto adequado para os F-5s e F-7Ms do Irã, o último sendo a versão chinesa do antigo MiG-21 soviético, enquanto os J-10s poderiam substituir seus MiG-29As, entre outros.

Apesar de uma opção chinesa em potencial ser mais barata, o Irã ainda não deve fazer aquisições significativas em breve.

Desde o levantamento do embargo de armas, há rumores de que o Irã mostrou interesse em comprar 36 jatos J-10Cs. No entanto, Pequim está relutante em vender os jatos, já que, em vez de dinheiro vivo, Teerã quer negociar petróleo pelos jatos. As sanções econômicas e a queda dramática no valor de sua moeda nacional afetaram o Irã economicamente. Enquanto isso, a China não está interessada em trocar J-10s por petróleo.

J-10C.

A cada poucos anos, há novos rumores e especulações sobre quais aviões de combate o Irã pode adquirir para o modernizar sua força aérea. Em 2007, relatórios indicavam que ela estava comprando impressionantes 250 caças Su-30s da Rússia. Na esteira do acordo nuclear de 2015, também houve relatos de que o Irã buscou adquirir um número muito menor de Su-30s e até mesmo considerou brevemente a possibilidade de buscar os jatos franceses Mirage 2000. No final das contas, o Irã não importou nenhum novo avião de combate.

Na época, como agora, a probabilidade de o Irã fazer qualquer aquisição significativa de caças a qualquer momento é muito pequena, apesar da necessidade crescente de fazê-lo para o futuro de sua força aérea.



Comprar armas e munições



Suporte via whatsapp!